sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

A cratera na Rua 10 virou manchete

Reportagem do Jornal de Brasília de 08/01/2009:

Há uma rua no buraco
Da Redação
É assustador. Quem transita pela Rua 10 de Vicente Pires passa por uma imensa cratera, que abocanha quase todos os 300 metros de extensão da via. A Defesa Civil interditou a rua há cerca de dois meses e, mesmo assim, em uma parte estreita do trecho, ainda há trânsito de ônibus e caminhões. Para agravar a situação, há entulho jogado e muitos pontos com água acumulada, combinação que pode favorecer a propagação de doenças.
A Gerência Regional de Vicente Pires informa que, enquanto a cidade não for regularizada, o Ministério Público não pode licitar a implantação de uma rede de águas pluviais para resolver em definitivo a situação do local, que enfrenta o problema há mais de 10 anos. Enquanto a regularização não chega, a gerência trabalha para tornar o local "transitável", e aterrou uma parte da via para tornar possível o trânsito de veículos e a travessia de pessoas.
Desesperançosos com a resolução definitiva do problema, moradores e frequentadores do
local evitam a via quando está chovendo. A doméstica Liliane Marques de Oliveira, 28 anos,
enfatiza que a situação é uma total falta de respeito com o ser humano. Ela relata que começou
a trabalhar na região no início do ano passado e que tem acompanhado a degradação constante
da via de lá para cá. "Durante as chuvas, um motociclista chegou a cair na cratera e foi levado pela enxurrada", lembra ela.
A dona de casa Geralda Rodrigues da Silva, 58 anos, afirma que, há cerca de dois anos, toda uma camada de asfalto da rua acima cedeu e foi parar na cratera da Rua 10. Inconsolada, ela diz ser extremamente desagradável viver na via, que, por estar numa baixada, acumula a água das chuvas. O pouco comércio localizado no local também registra prejuízos por conta das condições precárias. É o caso da mecânica de Sílvio Solto, 50 anos. O proprietário reclama que paga caro o IPTU e que nunca recebeu o retorno em infraestrutura. Também revela que esta não é a primeira vez em que é entrevistado por uma equipe de jornal e desabafa: "O problema não será resolvido.
Aqui é um total descaso, uma falta de humanidade". Cliente de Sílvio, Renato Alves Lopes, 20
anos, diz que chegar até a oficina é uma "trabalheira".
Cirio Francisco de Oliveira, da Gerência Regional de Vicente Pires, explica que a cratera da
Rua 10 foi formada pelo volume acumulado de água. E ressalta que toda aquela região ainda
carece de regularização. "Somente depois do alvará é que o Ibama e o Ministério Público vão
dar autorização para a captação de águas pluviais", declara ele. Conforme Cirio, durante o
período de seca, caminhões despejam entulho no local, o que só piora a situação. "Há fiscais trabalhando na coibição dessa prática, mas os caminhoneiros despejam o lixo durante a noite", acusa. Ele diz que a cratera acaba funcionando como uma vala, e que isso continuará ocorrendo até a construção da rede. "Não se pode bloquear a água da chuva de entrar nessa vala, porque, senão, a água invade as casas".

Um comentário:

zezinho disse...

Caro amigo, tudo bem?
Vejo que também tem um blog direcionado para nossa
Cidade. Lancei também o blog "Vicente Pires Alerta" (indexar no google), que surgiu com o movimento dos moradores que cobra das autoridades uma solução para essa cratera. Tem sido uma luta árdua, mas já avançamos bastante. Caso possa ajudar com matérias ou citações no seu blog, agradecemos muito.
Grande Abraço.

J.Geraldo